A longa espera pelos quase 85 milhões de fãs brasileiros de jogos online acabou. O novo cabo submarino de fibra óptica da EllaLink, o primeiro cabo de alta capacidade para conectar diretamente a América Latina à Europa, está disponibilizando sua conexão de baixa latência (tempo de resposta de transmissão de dados) entre os dois continentes para que gamers brasileiros e europeus possam jogar partidas online em igualdade termos, sem atrasos e outras limitações de conexão técnica que, em última análise, decidem uma partida.

A entrada do cabo EllaLink no mundo dos games é fruto de uma parceria com a IP Telecom – que oferece acesso diferenciado em trânsito IP aos principais servidores de conteúdo espalhados pelo continente europeu – e com o NoPing, solução de alta performance para melhoria de latência focada no segmento de jogos online.

Inaugurado em junho, após investimento de R$ 1 bilhão, o cabo EllaLink possui quatro pares de fibras ópticas. Antes, a maioria das conexões entre os dois continentes era feita via EUA. A nova rota direta, de 6 mil km sob as águas do Atlântico, entre Fortaleza (Ceará) e Sines (Portugal), garante uma conexão de altíssima velocidade e desempenho (até 100 terabits por segundo), com redução de latência em relação à rota anterior. Além dos jogos online, a baixa latência beneficia o desempenho de negócios digitais, serviços em nuvem, bancos eletrônicos e mídia de entretenimento.

A expertise dos parceiros reúne os fatores decisivos em uma partida online entre brasileiros e europeus: qualidade e conexão rápida em qualquer ponto dos dois continentes para aproveitar a redução de latência na nova rota oferecida pelo cabo EllaLink.

“Essa redução de latência na conexão entre Brasil e Europa, contada em milissegundos (ms), representa o maior diferencial do nosso cabo, mas muitas pessoas não conseguiram perceber esse ganho na maioria das aplicações”, explica Rafael Lozano, gerente da EllaLink Brasil. “Em um jogo online, se imaginarmos dois jogadores, um brasileiro e um norte-americano, jogando em um servidor europeu, visando o mesmo alvo ao mesmo tempo, o diferencial entre ganhar e perder será quem acertar primeiro, e isso é determinado pela latência, chamado LAG pelos jogadores”, acrescenta. Segundo Lozano, com essa nova rota, eles vão competir de igual para igual.

Lozano observa que até a parceria entre EllaLink, IP Telecom e NoPing, as latências entre os continentes eram em torno de 250ms entre os principais servidores de jogos, e uma experiência de jogo considerada boa deve ficar abaixo de 150ms. “Com o cabo EllaLink, essa latência reduz para menos de 120 ms entre pontos de alta concentração de tráfego na Europa”, diz ele.

Ou seja, a partir de agora, os jogadores vão notar a diferença. Além da rota direta mais curta fornecida pelo cabo EllaLink, a IP Telecom vai agilizar a transmissão de dados dos clientes provedores, usando os hubs de conexão da EllaLink em ambos os lados do Atlântico – e também através de parceiros europeus, estenderá a transmissão para Sines, Lisboa, Madrid e Marselha , e no Brasil, de Fortaleza no Ceará a São Paulo e Rio de Janeiro.

“A IP Telecom tem em seu DNA a busca por conectividade de última geração. Estamos criando um divisor de águas na América Latina ao oferecer a menor latência entre Brasil e Europa. Isso proporciona uma nova experiência ao mercado”, disse o CEO da IP Telecom , Jeferson Carvalho.

O NoPing, por sua vez, garantirá que a conexão tenha a menor latência possível. Isso porque sua solução funciona como um GPS da Internet: o algoritmo calcula todas as rotas disponíveis e escolhe aquela que permite, simultaneamente, a máxima redução de latência, com perda de pacotes e correção de queda de conexão.

De acordo com Marcos Kenickel Vasconcelos, CTO da NoPing, a parceria abrirá uma nova era para a empresa no multibilionário mercado de games – segmento que movimenta cerca de US$ 200 bilhões por ano no mundo (mais do que o mercado de streaming de filmes e música juntos ) e deve faturar US$ 2,3 bilhões no Brasil em 2021, segundo estimativas da consultoria especializada Newzoo.

“Romper fronteiras com o continente europeu foi algo com que sempre sonhamos”, diz Vasconcelos. “Agora teremos campeonatos online muito disputados entre os dois continentes, o que deve ampliar a inclusão de jogadores brasileiros na Europa”, acrescenta, referindo-se aos gamers de e-Sports, como é conhecida a versão profissional dos jogos online, onde o NoPing tem forte participação, bancando equipes ou oferecendo serviços.

Em termos de audiência de jogos online, o Brasil é o terceiro no mundo, atrás dos EUA e da China. Além de vários tipos de jogos que o Brasil já teve times campeões mundiais — Free Fire, Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), Rainbow Six Siege –, o executivo do NoPing acredita que a rota direta com a Europa impactará os gamers brasileiros adepto do Dota 2. “É a modalidade de jogo que os europeus são mais fortes e também a que distribuiu a maior premiação dos e-Sports em 2021, em torno de US$ 47 milhões”, diz. Para se ter uma ideia, o campeão e vice-campeão da última edição da Copa Libertadores de futebol recebeu US$ 22 milhões do Comenbol.

Vasconcelos conta que as primeiras partidas entre gamers brasileiros e europeus pelo cabo da EllaLink registraram uma queda de latência na faixa de 30%. “Isso é para gamers conectados na Região Sudeste. Os jogadores do Nordeste, por causa da proximidade física com a Europa, viram a latência cair em até 50%”, observa.

Os excelentes resultados levaram a empresa a agendar o NoPing Day, evento que reunirá equipes de Dota 2 dos dois continentes, em um desafio que deve acontecer no dia 18 de fevereiro.

Isto é apenas o começo. A EllaLink vai ligar em breve um DataCenter em Cabo Verde, o que deverá impactar no aumento do jogo intercontinental de jogos populares online. Depois teremos uma vaga de gamers africanos a aderir ao circuito”, prevê Vasconcelos.

Posts recomendados